Carrinho

Qualidade em Ação

Qualidade em Ação

Autores (organização)

Maria João Rosa

Patrícia Moura e Sá

Cláudia S. Sarrico

A Rede dos Investigadores da Qualidade (RIQUA) surgiu em 2010 e teve como grande objectivo criar relações pessoais e profissionais entre os que investigam e trabalham nas áreas da qualidade e afins.  Os encontros anuais realizados muito contribuíram para desenvolver esta rede de contactos e conhecimentos.

A Rede  passou a assegurar a continuação  da revista TMQ, Techniques, Methodologies and Quality, operacionaliza formas de contactos profissionais e realiza os seus encontros anuais, apresentando outras capacidades de intervenção na comunidade profissional, técnica e científica.

A integração da RIQUA como estrutura da Associação Portuguesa para a Qualidade, em 2012, pode trazer vantagens mútuas: do lado da Rede o apoio logístico e administrativo, e do lado da APQ a disponibilização de uma rede de competências externas que muito pode fazer para reposicionar esta prestigiada associação em caminhos de progresso, modernidade e saber.

A identificação de projetos a realizar no âmbito da RIQUA constitui uma fase em que se consubstanciam os desígnios dos seus fundadores. A realização deste livro resulta dessa colaboração, e ilustra as potencialidades deste tipo de organizações.  

A compilação em livro de vários casos de aplicação de técnicas e métodos da qualidade surge num tempo e modo oportunos. No tempo em que as abordagens se centralizaram em áreas de gestão e desenvolvimento organizacional (um pouco em oposição às áreas operacionais), importa relembrar que existe um potencial de melhoria e um património que deriva diretamente das técnicas e métodos da qualidade. Os consideráveis ganhos com a aplicação das ferramentas e metodologias da qualidade são oportunamente lembrados e ilustrados cabalmente, num tempo de particular crise  económica e devastação das organizações.

A este propósito questionamos  se o posicionamento muito centrado nas áreas  soft,  não deixou o campo aberto para outras abordagens mais dirigidas às áreas operacionais e de resultados a curto e médio prazo.

Por outro lado, a explosão das novas Tecnologias de Informação e Comunicação veio disponibilizar informação de forma fácil e rápida, acarretando tendências e algumas ilusões de soluções rápidas e retumbantes com pouco esforço e diminuto conhecimento. Neste declive, pelo menos os estudantes de engenharia e gestão perderam o uso da língua portuguesa para estudar e aprender, ao não encontrarem textos e exemplos em Português e de organizações portuguesas.

Contudo, sabemos que quem não tenha aprendido a aplicar técnicas e métodos de larga aplicação tem maiores dificuldades em estudar e entender técnicas mais elaboradas e sofisticadas, muito úteis e por vezes decisivas  nos ambientes competitivos mais agressivos.

 O modo como são apresentados os exemplos de aplicação, de forma simples e descomplexada das teorias (sem as esquecer, e com o seu suporte), mostra que os autores atingiram o patamar da sabedoria, não tendo ficado tolhidos nas primeiras etapas da pirâmide da gestão do saber, que começa  nos dados, progride para a informação (dados tratados), pode atingir níveis de conhecimento específico e distintivo, e atingir a sabedoria, onde se vislumbra e valoriza o importante e o relevante no meio da complexidade. A gestão da complexidade passa claramente pela construção de sucessivos patamares de conhecimento e de experiência acumulada, que só os mais avançados conseguem fazer de forma útil.

Vivemos  um tempo em que os limites do conhecimento se alargam e ficam, por vezes, mais longe e difíceis de alcançar. Em contraponto, as atividades de síntese e em particular o modo como estas são integradas com as atividades de análise verão os seus papéis relevados. Neste sentido, se pode ver a ligação da Academia às realidades empresarias, que encontra neste livro argumentos e identifica vantagens e campos virtuosos de trabalho e cooperação.

António Ramos Pires

Lista de autores              

Prefácio

Lista de acrónimos

Esquema do livro

Introdução

Cláudia S. Sarrico || Maria João Rosa || Patrícia Moura e Sá || Paulo Sampaio

Parte I – Introdução às ferramentas e metodologias da qualidade

Capítulo 1 – Breve introdução às ferramentas e metodologias da qualidade

Patrícia Moura e Sá || Maria João Rosa || Cláudia S. Sarrico

Parte II – Ferramentas da qualidade

Capítulo 2 – Aplicação das ferramentas básicas da qualidade na melhoria do processo de embalagem da BeiraNova

Catarina Orfão || Liliana Vitorino || Patrícia Moura e Sá

Capítulo 3 – O processo de injeção na AHenriques II – Análise das não conformidades

Helena Alvelos || Ana Raquel Xambre || Sílvia Santos || Rui Borges Lopes

Capítulo 4 – Estudo do processo de classificação de carcaças com base na utilização das cartas de controlo

Susana Leal || Patrícia Moura e Sá

Capítulo 5 – Aplicação dos métodos de Taguchi numa empresa de marroquinaria

Fábio A. Fernandes || Sérgio D. Sousa

Capítulo 6 – Efacec: uso da FMECA em atividade espacial

Hugo Queiroz || Arlindo Marques || Joana Eliseu

Parte III – Metodologias da qualidade

Capítulo 7 – 5S na LIPOR – Experiência no Gabinete de Auditoria, Sustentabilidade e Qualidade Total      

Inês Inácio

Capítulo 8 – Diagnóstico do nível de implementação dos 5S em propriedades agrícolas cabo-verdianas 

Elsa Simões || Margarida Saraiva

Capítulo 9 – Um caso de aplicação da casa da qualidade no desenvolvimento de produtos têxtil-lar no continente           

Marlene Amorim || Maria João Rosa || Daniela Martins

Capítulo 10 – Aplicação da casa da qualidade ao toleranciamento de redutores industriais na SEW-EURODRIVE Portugal

Helena V. G. Navas || David F. N. Braga

Capítulo 11 – Melhoria de um processo logístico de reabastecimento interno recorrendo à metodologia DMAIC

 Luis Miguel D. F. Ferreira || Cristóvão Silva || Carolina Mesquita

Parte IV – Utilização das ferramentas da qualidade nas organizações portuguesas

Capítulo 12 – Utilização das ferramentas da qualidade nas organizações portuguesas

Paulo Sampaio || Cristina Rodrigues || Marta Pacheco

Ana Raquel Xambre é licenciada em Engenharia e Gestão Industrial pela Universidade de Aveiro, tem uma pós-graduação em Métodos Quantitativos em Gestão pela Universidade do Porto e terminou recentemente o doutoramento em Gestão Industrial pela Universidade de Aveiro. Tem experiência de ensino no Sistema de Ensino Superior Público, tendo lecionado disciplinas ligadas à Engenharia Industrial (Gestão de Operações, Gestão de Stocks, Simula- ção Industrial) e aos Métodos Quantitativos (Técnicas Estatísticas, Investigação Operacional). Os seus interesses de investigação incluem Gestão de Operações e Investigação Operacional.

Arlindo Marques esteve ligado à UA e IT-Aveiro entre 1994-1999, onde desenvolveu diversos projetos internacionais. Destaca-se coordenação da integração e teste do projeto SAMBA, na Robert BOSCH, GmbH, Hildesheim, Alemanha. Em 1999 ingressa na Efacec, onde foi respon- sável de projeto de diversas interfaces de linha e tributárias do sistema PDH-MUX2000. Em 2005 começa a colaborar com a divisão do espaço. Em 2008 integra-a definitivamente assu- mindo a coordenação do desenvolvimento eletrónico, que acumula atualmente com as funções de «system engineering». É membro efetivo da Ordem dos Engenheiros.

Carolina Mesquita Herdeiro é licenciada em Engenharia e Gestão Industrial pela Universi- dade de Aveiro e fez mestrado em Gestão de Operações na mesma Universidade. Trabalha na Bosch Termotecnologia SA, Aveiro, desde 2000. Desempenhou funções de responsável de equipa no departamento de produção, tendo depois passado para a equipa do BPS (Bosch Production System – Sistema Lean da Bosch). Fez destacamento internacional nesta área numa fábrica do grupo em Cardiff, País de Gales. Atualmente, trabalha no departamento de Logística, onde é responsável pelo controlo dos custos logísticos e pela implementação de projetos na área.

Catarina Santos Orfão nasceu em Leiria a 22 junho 1981. Estudou no ISEG-UTL onde se licenciou em Economia, mais tarde fez a Pós-graduação em Financial Reporting no ISLA, o Mestrado em Estratégia Empresarial pela FEUC e fez ainda o MBA em Gestão na mesma uni- versidade, que concluiu em 2011.Ingressou na instituição financeira Banco Comercial Portu- guês SA em 2004, onde desempenha funções na área comercial, enquanto Gestora de Negó- cios Empresariais. Paralelamente, em 2010, iniciou a atividade de docência de Economia e Introdução à Gestão no Instituto Politécnico de Leiria.

Cláudia S. Sarrico é professora associada com agregação do ISEG, Universidade Lisboa, e investigadora do Centro de Investigação de Políticas do Ensino Superior. É licenciada em Engenharia e Gestão Industrial pela Universidade de Aveiro (bolsa Erasmus na Université de Lyon III, França e bolsa Commett na Universität Freiburg, Alemanha), e PhD in Industrial and

Business Studies pela Warwick Business School. A sua especialidade é a gestão de opera- ções, sobretudo em serviços. Tem trabalhado essencialmente nas questões da qualidade e desempenho dos serviços, com especial incidência nos serviços profissionais, tais como edu- cação, ensino superior e ciência. É co-editora do livro Managing reform in universities: The dynamics of culture, identity and organisational change (2012), Palgrave e Regional Editor – Europe da revista científica International Journal of Productivity and Performance Management.

Cristina S. Rodrigues é Professora Auxiliar na Universidade do Minho, onde leciona e é res- ponsável por disciplinas de estatística aplicada em cursos de graduação e pós-graduação em engenharia. É doutorada em Engenharia de Produção e Sistemas pela Universidade do Minho, na área de Métodos Numéricos e Estatísticos. É igualmente investigadora no Centro Algoritmi, onde tem desenvolvido projetos de investigação em engenharia industrial e estatística aplicada. Colabora regularmente com outras instituições ou centros de investigação (e.g. Universidade do Porto, centro CGIT e centro C2T2). As suas áreas atuais de interesse são modelos de equações estruturais, pesquisas por questionário e avaliação da validade e fiabilidade de escalas. É membro da Comissão Diretiva do curso de Mestrado em Engenharia e Gestão da Qualidade da Universidade do Minho.

Cristóvão Silva estudou Engenharia Mecânica na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Uni- versidade de Coimbra, onde se licenciou em 1992. Obteve o grau de Mestre e de Doutor em Engenharia Mecânica na Universidade de Coimbra, ambos na área científica de Controlo e Gestão. É presentemente Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Mecânica da Uni- versidade de Coimbra onde leciona diversas cadeiras da área da Gestão Industrial. Em termos de investigação os seus interesses estão relacionados com o Controlo e Planeamento da Pro- dução e com a Logística. Participou em vários projetos de investigação financiados por institui- ções públicas e em cooperação com diversas empresas. É autor ou coautor de vários artigos científicos publicados em revistas internacionais ou apresentados em conferências.

Daniela Martins é licenciada e mestre em Engenharia e Gestão Industrial pela Universidade de Aveiro. Trabalha na empresa Sakthi Portugal SA, onde é responsável por tempos e métodos. Atualmente é chefe de projeto de componentes de segurança críticas em ferro nodular para a Indústria Automóvel.

David Figueiredo Nunes Braga é responsável do Departamento de Serviços da SEW-EURO- DRIVE Portugal. Licenciatura em Engenharia Mecânica (FCT-UC), Pós-Graduação em Enge- nharia dos Materiais (organização conjunta de IST-UTL, FCT-UC, UA, UM, FCT-UNL e FEUP) e Mestrado em Engenharia dos Materiais, especialização em Engenharia de Superfícies (FCT-

-UC). Cursos de Empreendedorismo de Base Tecnológica (FCT-UC e COTEC-Portugal), CAP – Curso de Formador de Formadores (TECLA-Coimbra), Auditor Interno da Qualidade (Auchter) e Segurança, Saúde e Higiene no Trabalho (FCT-UC).

Elsa Simões é licenciada em Agronomia (1985) pela Louisiana State University – E.U.A. É Mestre em Gestão da Qualidade e Marketing Agroalimentar pela Universidade de Évora. Atualmente é presidente do Conselho Diretivo da Escola de Ciências Agrárias e Ambientais da Universidade de Cabo Verde. Porém, ao longo de mais de duas décadas desempenhou diver- sas funções na formulação de políticas públicas e na execução de vários projetos no domínio agrícola e rural em Cabo Verde. Entre eles salienta-se o cargo de Gestora de um projeto de gestão de bacias hidrográficas e apoio a agricultura financiado pelo programa americano Mil-

lennium Challenge Account (MCA); Diretora Geral da Agricultura; Diretora dos Serviços de Pecuária; e Delegada do Ministério do Desenvolvimento Rural de Cabo Verde.

Fábio A. Fernandes concluiu o Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial na Universidade do Minho em 2012. A sua dissertação de mestrado, na área da Qualidade, foi realizada em ambiente industrial. Na sua ainda curta carreira profissional, publicou dois artigos científicos com revisão por pares, relativos a casos de estudo em ambiente industrial. Atualmente exerce funções de Engenheiro da Qualidade numa Empresa do setor automóvel.

Helena Maria Pinto Dourado e Alvelos é licenciada em Engenharia Eletrónica e de Teleco- municações pela Universidade de Aveiro, Mestre em Ciências Empresariais (MBA) pela Uni- versidade do Porto e Doutora em Ciências da Engenharia pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. É Professora Auxiliar no Departamento de Economia, Gestão e Enge- nharia Industrial da Universidade de Aveiro e Investigadora do Centro de Investigação e Desenvolvimento em Matemática e Aplicações (CIDMA). Leciona unidades curriculares da área da Gestão da Qualidade e de Técnicas Estatísticas. Tem publicado vários artigos em revistas e atas de conferências nacionais e internacionais, assim como capítulos de livros. Os seus prin- cipais interesses de investigação centram-se na Análise de Dados, na Gestão da Qualidade e no Controlo Estatístico de Processos.

Helena Navas é Licenciada em Engenharia Mecânica (equivalência pelo Instituto Superior Técnico), Mestre em Instrumentação, Manutenção Industrial e Qualidade pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e Doutorada em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa. É Professora Auxi- liar no Departamento de Engenharia Mecânica e Industrial da Faculdade de Ciências e Tecno- logia da Universidade Nova de Lisboa. É investigadora no UNIDEMI – Unidade de Investigação em Engenharia Mecânica e Industrial da FCT–UNL. Os seus principais tópicos de investigação estão relacionados com a inovação sistemática, qualidade, especialmente na área do toleran- ciamento dimensional e geométrico, teorias e metodologias de projeto. Foi coordenadora do Symposium on Experimental and Computational Techniques in Metrology, Quality Control and Reliability under the auspices of 15th International Conference on Experimental Mechanics (ICEM15), FEUP, Porto, Portugal, 22-27 July 2012. Foi coordenadora do Symposium on Metrology, Quality Control and Reliability under the auspices of IRF2013 – 4th International Conference on Integrity, Reliability and Failure, Funchal, Portugal, 23-27 June 2013.

Hugo Queiroz integrou em 1999 o Grupo Efacec, após uma curta passagem pelo Centro Nacional de Investigação Científica de Paris. Atualmente é responsável pela Gestão da Quali- dade, Ambiente e Segurança, assegurando também a integração com o Sistema de Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação, de 5 Unidades de Negócio do Grupo Efacec, nomeadamente – Ambiente, Automação, Logística, Transportes e Renováveis. É membro da Comissão Técnica 80, Gestão da Qualidade e Garantia da Qualidade. É também formador e auditor nestas áreas.

Inês Inácio é licenciada em Engenharia do Ambiente (2004) e Pós Graduada em Gestão da Qualidade (2005), pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa

– Portugal, Porto. Desde 2006 é técnica responsável pela área da Qualidade no Gabinete de Auditoria, Sustentabilidade e Qualidade Total da LIPOR. Em 2005 integrou a empresa TRANSMETRO – Construção de Metropolitano, ACE, como Técnica de Acompanhamento Ambiental dos estaleiros e frentes de obra para a construção do sistema de metro ligeiro da

área metropolitana do Porto. Entre outubro 2003 a fevereiro 2004 estagiou no Department of Biology; Research Unit Ecophysiology, Biochemistry and Toxicology – University of Antwerp; Bélgica, na área da toxicologia ambiental.

Joana Eliseu integrou, EM 2007, a empresa Qimonda onde exerceu a função de Engenharia de Processo de novos produtos e materiais. Era responsável pelas atividades de qualificação, relatórios técnicos/engenharia, FMEA/8D/DOE e especificações técnicas a serem aplicadas na produção. Desde 2008, exerce a função de Engenharia de RAMS na Efacec. Realiza estudos RAMS (Análises Funcionais, FMEA/FMECA, Análise de Manutibilidade, RBD, análise de peri- gos e peças de reserva) aplicados a produtos/projetos/propostas para diversas UNs Efacec. É membro efetivo da Ordem dos Engenheiros e SPM.

Liliana Coutinho Vitorino é licenciada em Economia pela Universidade de Aveiro (2006) e pós graduada em Economia e Gestão das Organizações de Saúde pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (2007). Mestre em Estratégia Empresarial pela Faculdade de Eco- nomia da Universidade de Coimbra, com dissertação sobre Mecanismos de Auscultação dos Agrupamentos de Centros de Saúde: o caso de Lisboa e Vale do Tejo (2010). MBA para Exe- cutivos pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra com projeto em Qualidade e Participação do ACES do Nordeste (2011). A concluir doutoramento em Marketing e Estratégia na Universidade do Minho/Aveiro/Beira Interior com tese sobre «Antecedentes e Consequên- cias da cocriação de valor numa consulta médica». Desde 2007 é docente no Instituto Politéc- nico de Leiria (na Escola Superior de Tecnologia e Gestão e pontualmente na Escola Superior de Saúde).

Luís Miguel D. F. Ferreira é Professor Auxiliar no Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial da Universidade de Aveiro. É licenciado em Engenharia Mecânica pela Universidade de Coimbra, Mestre em Investigação Operacional e Engenharia de Sistemas pelo Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa e Doutor em Engenharia de Sis- temas pelo Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa. Ao longo da sua car- reira académica e profissional tem desenvolvido vários projetos de consultoria e de formação nas áreas de gestão da cadeia de abastecimento para empresas nacionais e multinacionais e para organismos públicos.

Margarida Saraiva é licenciada em Gestão de Empresas (1994) pela Universidade de Évora. Fez o curso de Mestrado em Ciências Empresariais (1998) promovido pelo INDEG/ISCTE-IUL. Em 2004, concluiu o doutoramento em Gestão no ISCTE-IUL. Atualmente é professora auxiliar com nomeação definitiva do Departamento de Gestão da Escola de Ciências Socias da Univer- sidade de Évora. É investigadora (membro integrado) do Business Research Unit (UNIDE-IUL) da Business School do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) e colaboradora (membro não integrado) do Centro de Estudos e Formação Avançada em Gestão e Economia da Univer- sidade de Évora (CEFAGE-UE). É coordenadora responsável pelo Polo Dinamizador da Quali- dade de Évora da Associação Portuguesa para a Qualidade (APQ) e editora da Revista cientí- fica TMQ – Techniques, Methodologies and Quality (ISSN: 2183-0940), indexada ao Sistema Regional de Información Latindex.

Maria João Rosa é licenciada em Engenharia Química pela Faculdade de Ciências e Tecnolo- gia da Universidade de Coimbra e Doutorada em Gestão Industrial pela Universidade de Aveiro. É Professora Auxiliar no Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial da Universidade de Aveiro e investigadora no Centro de Investigação de Políticas do Ensino

Superior (CIPES). Leciona unidades curriculares da área da Gestão da Qualidade e de Técni- cas Estatísticas. Os seus principais tópicos de investigação centram-se nas questões ligadas à gestão da qualidade, particularmente ao nível dos sistemas e instituições de ensino superior. As principais publicações incluem artigos em revistas como a Total Quality Management and Business Excellence, Quality in Higher Education, Minerva, Quality Assurance in Education e European Journal of Operational Research. É co-editora dos livros Cost-sharing and Accessibi- lity in Higher Education: A Fairer Deal? (2006), Quality Assurance in Higher Education. Trends in Regulation, Translation and Transformation (2007) and Essays in Supportive Peer Review (2008). É membro do CHER – Consortium of Higher Education Researchers – e do comité exe- cutivo do EAIR – The European Higher Education Society.

Marlene Amorim é licenciada em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Mestre em gestão de Ciência Tecnologia e Inovação pela Universidade de Aveiro e Doutorada em Gestão pela IESE Business School da Universidade de Navarra. É Professora Auxiliar no Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial da Universidade de Aveiro e investigadora na Unidade de Investigação em Governança Competitividade e Políticas Públicas (GOVCOPP). Leciona unidade curriculares na área da Estatística e Métodos Quanti- tativos e da Gestão de Operações, Qualidade e Inovação em Serviços. Desenvolve investiga- ção na área da Gestão de Serviços, em particular nas questões ligadas à Qualidade e Especifi- cação de Processos, apresentando regularmente e o seu trabalho nas conferências EUROMA

European Operations Management Association, QUIS – Quality in Service e QMOD – Quality Management and Organisational Development e em publicações como o International Journal of Industrial Engineering and Management e o International Journal of Management Cases.

Marta Pacheco é licenciada em Engenharia e Gestão Industrial, pela Escola Superior de Tec- nologia e Gestão do Instituto Politécnico de Bragança desde 2007. Em 2013, terminou o Mes- trado em Engenharia Industrial com especialização em Qualidade, Segurança e Manutenção pela Universidade do Minho. No âmbito da dissertação de mestrado desenvolveu o estudo sobre «O uso das ferramentas da qualidade em organizações Portuguesas.».

Paulo Sampaio é licenciado em Engenharia e Gestão Industrial, pela Universidade do Minho, em 2002, e obteve, em 2008, o grau de Doutor em Engenharia de Produção e Sistemas, pela mesma Universidade. Atualmente é Professor Universitário, na categoria de Professor Auxiliar, na Universidade do Minho, Consultor na área da Qualidade e ocupa cargos de gestão em diversas associações. Até ao momento foi alvo de diversos reconhecimentos nacionais e inter- nacionais, dos quais se destacam o reconhecimento, em 2011, como uma das «40 Novas Vozes Mundiais da Qualidade», e a Medalha Feigenbaum, em 2012, ambos pela American Society for Quality. Desenvolve, desde 2004, a sua atividade de investigação com o Prof. Pedro Saraiva em diversas áreas da Engenharia e Gestão da Qualidade. Mais informação em: http://pessoais.dps.uminho.pt/paulosampaio/

Patrícia Moura e Sá é licenciada em Organização e Gestão de Empresas pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, mestre em Ciências Empresariais pela mesma Facul- dade e PhD in Business pela Sheffield Hallam University. É Professora Auxiliar na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e investigadora do Núcleo de Estudos de Adminis- tração e Políticas Públicas (NEAPP) da Universidade do Minho. Tem uma vasta experiência na lecionação de disciplinas nas áreas da Gestão da Qualidade ao nível de programas de Mes- trado, MBAs e Cursos de Especialização. Os seus principais interesses de investigação são a avaliação da qualidade em serviços, em particular serviços públicos e de interesse geral, e a

medição da performance organizacional com base em referenciais de gestão da qualidade. É coautora do livro Performance Measurement: the path to excellence (com Gopal Kanji), tendo publicado diversos capítulos de livro e vários artigos em revistas científicas, incluindo, entre outras, a Total Quality Management & Business Excellence, Technovation, Policy Studies e Electronic Journal of E-Government.

Rui Borges Lopes obteve os graus de Doutor em Gestão Industrial em 2011, Mestre em Ges- tão de Operações em 2005 e Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial em 2002, tendo feito o seu percurso académico na Universidade de Aveiro. É professor auxiliar convidado do Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial da Universidade de Aveiro desde abril de 2011, tendo sido anteriormente assistente e assistente convidado no mesmo departa- mento. Desenvolveu ainda atividade de consultoria ao nível de sistemas de informação na Softi9 (Grupo i68), de dezembro de 2003 a março de 2007. É membro da unidade de investiga- ção CIO (Centro de Investigação Operacional) da Universidade de Lisboa desde janeiro de 2007. Os seus interesses de investigação incidem sobre Investigação Operacional (nomeada- mente aproximações heurísticas para problemas de localização, de rotas de veículos e de loca- lização-distribuição) e Sistemas de Apoio à Decisão.

Sérgio D. Sousa é professor auxiliar do Departamento de Produção e Sistemas da Escola de Engenharia da Universidade do Minho, tendo realizado o doutoramento na Universidade de Birmingham-UK na área da Qualidade. Publicou cerca de 25 artigos científicos com revisão por pares, tendo quatro desses artigos sido premiados por entidades internacionalmente reconhe- cidas. É atualmente diretor do Mestrado em Engenharia e Gestão da Qualidade da Universi- dade do Minho.

Sílvia Cristina Tavares Valente dos Santos obteve o grau de Mestre em Engenharia e Ges- tão Industrial em 2012 e a Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial em 2010, tendo desenvolvido o seu percurso académico na Universidade de Aveiro. Realizou o estágio curri- cular na empresa AHenriques II, entre abril e dezembro de 2011, tendo apresentado o relatório de projeto intitulado «Contribuições para a melhoria da qualidade na AHenriques II». É, desde janeiro de 2012, responsável pelo processo de extrusão da AHenriques II, e auditora interna desde março de 2013. Atualmente, está a obter formação em Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho de nível VI (TSSHT), homologado pela Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

Susana Leal é doutorada em Gestão de Empresas pela Universidade de Coimbra, é Profes- sora Adjunta no Instituto Politécnico de Santarém e tem artigos publicados no Journal of Busi- ness Ethics, no The International Journal of Human Resource Management, e no Creativity Research Journal. Tem realizado investigação na área do Comportamento Organizacional, Responsabilidade Social das Empresas e Gestão de Operações.

Autores:  Vários

Organização: Maria João Rosa, Patrícia Moura e Sá, Cláudia S. Sarrico

Título: Qualidade em Ação – Casos de Aplicação de Ferramentas e Metodologias da Qualidade 

FICHA TÉCNICA:

© Edições Sílabo, Lda.

Capa: Pedro Mota

1ª Edição, Lisboa, março de 2014 

Impressão e acabamentos: Califesa – Soluções Gráficas, Lda

Depósito Legal: 372088/14

ISBN: 978-972-618-751-6

Editor: Manuel Robalo

EDIÇÕES SÍLABO, Lda

Rua Cidade de Manchester, 2 ,1170-100 Lisboa

Tel.: 218130345

e-mail: silabo@silabo.pt

www.silabo.pt

Bibliografia (por ordem dos capítulos)

Introdução

AMERICAN SOCIETY FOR QUALITY (2013). The ASQ Global State of Quality Research, Discoveries 2013. APQC & ASQ (disponível em www.asq.org).

ANTÓNIO, N., & TEIXEIRA, A. (2007). Gestão da Qualidade – de Deming ao Modelo de Excelência da EFQM. Sílabo: Lisboa.

BREYFOGLE, F. W (2003). Implementing Six Sigma. Smarter Solutions Using Statistical Methods (2nd Ed.). John Wiley & Sons: New Jersey.

CAPELAS, L., PAIVA, A. L. (2011). (Coord.). Manual Prático para a Gestão e Qualidade nas Organizações, Vol.2 e Vol.3, Verlag Dashofer: Lisboa.

CAMPANELLA, J. (1989). Quality costs: principles and implementation, in Campanella, J. (Ed.). Quality costs: Ideas and applications. A Collection of Papers, 2. 460-473. Quality Press: Milwaukee.

CROSBY, P. B. (1979). Quality is free. McGraw-Hill: New York.

DEMING, W. EDWARD (1988). Out of the Crisis. Cambridge University Press: Cambridge. GUIMARÃES, RUI CAMPOS e CABRAL, JOSÉ A. SARSFIELD (1997). Estatística. McGraw-Hill: Lisboa.

GRYNA, F. M., CHUA, R. C. H., DEFEO, J. A. (2007). Juran’s Quality Planning and Analysis. For Enterprise Quality. McGraw-Hill: New York.

HIRANO, H. (1995). 5 Pillars of the Visual Workplace: The Sourcebook for 5S Implementation (For Your Organization!). Productivity: Portland.

IMAI, M. (1997). Gemba Kaizen – a common sense low-cost approach to management.

McGraw Hill: New York.

JURAN, JOSEPH e GODFREY, A. BLANTON (1999). Juran’s quality handbook. McGraw-Hill: New York.

EVANS, J. R. EVANS, LINDSAY, W. M. (2008). The Management and Control of Quality. Thompson Learning: Mason.

MONDEN, Y. (1998). Toyota Production System. An Integrated Approach to Just-In-Time (3rd Ed.). Engineering & Management Press: Georgia.

MONTGOMERY, DOUGLAS C. (2009). Design and Analysis of Experiments. 7th Edition.Willey & Sons: New Jersey.

MONTGOMERY, DOUGLAS C. (2009). Introduction to Statistical Quality Control. 6th Edition.John Wiley & Sons: New Jersey.

MCQUATER, R., SCURR, C., DALE, B. e HILLMAN, P. (1995). Using quality tools and techniques successfully. The TQM Magazine, 7 (6), pp.37-42.

PEREIRA, Z., REQUEIJO, J. (2008). Qualidade. Planeamento e Controlo Estatístico de Processos. Prefácio: Lisboa.

PIRES, A. R. (2012). Sistemas de Gestão da Qualidade. Lisboa: Sílabo.

SOUSA, S., ASPINWALL, E., SAMPAIO, P. e RODRIGUES, A. (2005). Performance Measures and Quality Tools in Portuguese Small and Medium Enterprises: Survey Results. Total Quality Management, 16 (2), pp. 277-307.

TAGUCHI, G. (1986). Introduction to Quality Engineering. Asian Productivity Organization: Tokyo.

Capítulo 1

BREYFOGLE, F. W (2003). Implementing Six Sigma. Smarter Solutions Using Statistical Methods (2nd Ed.). New Jersey, USA: John Wiley & Sons, Inc.

CAPELAS, L., PAIVA, A. L. (2011) (Coord.). Manual Prático para a Gestão e Qualidade nas Organizações, Vol. 2 e Vol. 3, Lisboa: Verlag Dashofer.

GUIMARÃES, RUI CAMPOS e CABRAL, JOSÉ A. SARSFIELD (1997). Estatística. Lisboa: McGraw-Hill, 1997.

GRYNA, F. M, CHUA, R. CH., DEFEO, J. A (2007). Juran’s Quality Planning and Analysis. For Enterprise Quality. New York, USA: McGraw-Hill.

HIRANO, H. (1995). 5 Pillars of the Visual Workplace: The Sourcebook for 5S Implementation (For Your Organization!). Portland, USA: Productivity, Inc.

EVANS, J. R. EVANS, LINDSAY, W. M. (2008). The Management and Control of Quality. USA: Thompson Learning.

MONDEN, Y. (1998). Toyota Production System. An Integrated Approach to Just-In-Time (3rd Ed.). Georgia, USA: Engineering & Management Press, IIE.

MONTGOMERY, DOUGLAS C. (2009). Design and Analysis of Experiments, Willey & Sons, 7th Edition, USA.

MONTGOMERY, DOUGLAS C. (2009). Introduction to Statistical Quality Control, Willey & Sons, 6th Edition, USA.

PEREIRA, Z., REQUEIJO, J. (2008). Qualidade. Planeamento e Controlo Estatístico de Processos. Lisboa: Prefácio.

TAGUCHI, G. (1986). Introduction to Quality Engineering. Tokyo: Asian Productivity Organization.

Capítulo 3

EVANS, JAMES R. e LINDSAY, WILLIAM M. (2008). The Management and Control of Quality, Thompson Learning.

HEIZER, JAY e RENDER, BARRY (2010). Principles of Operations Management, Prentice Hall. http://www.ahenriques.pt/, consultado em 26 de março de 2013.

MONTGOMERY, DOUGLAS C. (2012). Design and Analysis of Experiments, John Wiley & Sons.

PEREIRA, ZULEMA L. e REQUEIJO, JOSÉ G. (2008). Planeamento e Controlo Estatístico de Processos, Co-edição de FCT – Fundação da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e de Prefácio – Edição de Livros e Revistas.

ROSATO, DOMINICK V., ROSATO, DONALD V. e ROSATO, MARLENE G. (2000). Injection Molding Handbook, Kluwer Academic Publishers.

SANTOS, SÍLVIA C. (2012). Contribuições para a melhoria da qualidade na AHenriques II, Relatório de Projeto do Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial, Universidade de Aveiro.

SARAIVA, PEDRO M. e D’OREY, JOÃO (2000). Inovação e Qualidade, Porto: Sociedade Portuguesa de Inovação.

Capítulo 9

AKAO,Y., MAZUR, G. H. (2003). The leading edge in QFD: past, present and future, Inter- national Journal of Quality & Reliability Management, 20 (1): 20-35.

AILAWADI, K. L., KELLER, K. L. (2004). Understanding retail branding: conceptual insights and research priorities, Journal of retailing, 80 (4): 331-342.

BERGER, C., BLAUTH, R., BOGER, D., BOLSTER, C., BURCHILL, G., DUMOUCHEL, W.,

WALDEN, D. (1993). Kano’s methods for understanding customer-defined quality, Center for Quality Management Journal, 2(4): 3-36.

BOUCHEREAU, V., ROWLANDS, H. (2000). Quality function deployment: the unused tool,

Engineering Management Journal, 10 (1): 45-52.

CHAN, L.-K., WU, M.-L. (2002). Quality function deployment: A literature review, European Journal of Operational Research, 143 (3): 463-497.

DE WULF, K., ODEKERKEN-SCHRÖDER, G., GOEDERTIER, F., & VAN OSSEL, G. (2005). Consumer perceptions of store brands versus national brands, Journal of Consumer Marketing, 22 (4): 223-232.

GRIFFIN, A., HAUSER, J. R. (1993). The voice of the customer, Marketing science, 12(1): 1-27.

KANO, N., SERAKU, N., TAKAHASHI, F. TSUJI, S. (1984). Attractive quality and must-be quality, The Journal of the Japanese Society for Quality Control, 14 (2): 39-48.

LAGER, T. (2005). The industrial usability of quality function deployment: a literature review and synthesis on a meta-level, R&D Management, 35 (4): 409-426.

LOWE, A., RIDGWAY, K. (2000). UK user’s guide to quality function deployment, Engineering Management Journal, 10 (3): 147-155.

MEHRJERDI, Y. Z. (2010). Quality function deployment and its extensions, International Journal of Quality & Reliability Management, 27 (6): 616-640.

RAJ SETHURAMAN, CATHERINE COLE (1999). Factors influencing the price premiums that consumers pay for national brands over store brands, Journal of Product & Brand Management, 8 (4): 340-351.

SETHURAMAN, R. (2001). What makes consumers pay more for national brands than for store brands-image or quality?, Review of Marketing Science WP 318.

STEINER, ROBERT L. (2004). The nature and benefits of national brand/private label com- petition, Review of Industrial Organization 24 (2): 105-127.

WITELL, LARS, LÖFGREN, M. (2007). Classification of quality attributes, Managing Service Quality, 17 (1): 54-73.

Capítulo 10

PASUPATHY, T. M. K., MORSE, E. P., WILHELM, R. G. (2003). A Survey of Mathematical Methods for the Construction of Geometric Tolerance Zones, Journal of Computing and Information Science in Engineering, Volume 3, Issue 1, March 2003.

YANG, K. (2005). Design for Six Sigma for Service, McGraw-Hill.

EL-HAIK, B., ROY, D. M. (2005). Service Design for Six Sigma: A Roadmap for Excellence, Wiley-Interscience.

CHASE, K. W., PARKINSON, A. R. (1991). A Survey of Research in the Application of Tolerance Analysis to the Design of Mechanical Assemblies, ADCATS Report N.º 91-1, April, 1991.

LEANEY, P. G., MARSHALL, R. (2000). The Manufacturing Challenge for Automotive Designers, 1998, In: Happian-Smith, J., Fundamentals of Modern Vehicle Design, London: Edward Arnold, TBP, 2000.

CHASE, K. W., MAGLEBY, S. P., GLANCY, C. G. (1997). A Comprehensive System for Computer-Aided Tolerance Analysis of 2-D and 3-D Mechanical Assemblies, Proceedings of the 5th International Seminar on Computer-Aided Tolerancing, Toronto, Canada, April 27-29, 1997.

BOWKER, A. H., LIEBERMAN, G. J. (1972). Engineering Statistics, Prentice-Hall, Elglewood Cliffs.

KENDRICK, J. (1991). Customers ‘Win’ in Baldrige Award Selections, Quality, January, 1991.

JEFFREYS, D. J., LEANEY, P. G. (1998). A Dimensional Control Methodology for the Variation Analysis of Aircraft Structure Assembly, In: Baines, R. W., Taleb-Bendiab, A., Zhao, Z., eds. Advances in Manufacturing Technology, XII, Proceedings of the Fourteenth National Conference on Manufacturing Research, Derby, UK, London, Professional Engineering Publishing Ltd, 1998.

WANG, H., ROY, U., SUDARSAN R., SRIRAM R. D., and LYONS, K. W. (2003). Functional Tolerancing of a Gearbox, Society of Manufacturing Engineers-SME.

 SAUERWEIN, E., BAILOM, F., MATZLER, K., HINTERHUBER, H. (1996). The Kano Model: How to Delight Your Customers, International Working Seminar on Production Eco- nomics, Innsbruck, Austria, 1996.

BERGER, C. et al. (1993). Kano’s Methods for Understanding Customer-defined Quality, Center for Quality Management Journal, Vol. 4, Fall 1993.

AKAO, Y. (1997). QFD: Past, Present, and Future, Proceedings of the Third Annual International QFD Symposium, Sweden, Linköping University.

HAUSER, J. R. and CLAUSING, D. (1988). The House of Quality, Harvard Business Re- view.

Capítulo 11

BRADY, J. & ALLEN, T. (2006). Six Sigma literature: A review and agenda for future research, Quality and Reliability Engineering International; n.º 22, pp. 335-367.

CORONADO, R. B. & ANTONY, J. (2002). Critical success factors for the successful implementation of six sigma projects in organisations, The TQM Magazine, Vol. 14, n.º 2, pp. 92-99.

GITLOW, H. & LEVINE, D. (2005). Six Sigma for green belts and champions: Foundations, DMAIC, tools, cases and certification, Prentice Hall: Saddle River, NJ.

HUSSEYIN, K., DURMUSOGLU, M. & BASKAK, M. (2012). Classification and modeling for inplant milk run distribution systems, International Journal of Advanced Manufacturing Technology, Vol 62, pp. 1135-1146.

KWAK, Y. & ANBARI, F. (2006). Benefits, obstacles, and future of six sigma approach, Technovation, Vol. 26, 5-6, pp. 708-715.

LINDERMAN, K., SCHROEDER, R. G., ZAHEER, S. & CHOO, A. S (2003). ‘Six Sigma: a goal theoretic perspective’, Journal of Operations Management, Vol. 21, N.º 2, pp.193-203.

NONTHALEERAK, P. & HENDRY, L. (2006). Six Sigma: Literature review and key research areas, International Journal of Six Sigma and Competitive Advantage, Vol. 2, N.º 2, pp. 105-161.

PANDE, P. S., & CAVANAGH, R. R. (2002). The Six Sigma Way Team Fieldbook – An Implementation, Guide for Process Improvement Teams. McGraw-Hill.

PORTER L. (2001). Six Sigma excellence, Quality Word, Vol. 1, pp. 12-15.

Capítulo 12

AHMED, S. e HASSAN, M. (2003). Survey and case investigations on application of quality management tools and techniques in SMIs, International Journal of Quality & Management, 20 (7), pp. 795-826.

ANTÓNIO, N. e TEIXEIRA, A. (2009). Gestão da Qualidade – De Deming ao modelo de excelência da EFQM, Edições Sílabo, Lisboa.

BAMFORD, D. e GREATBANKS, R. (2005). The use of quality management tools and techniques: a study of application in everyday situations, International Journal of Quality & Reliability Management, 22 (4), pp. 376-392.

BUNNEY, H. e DALE, B. (1997). The implementation of quality management tools and techniques: a study, The TQM Magazine, 9 (3), pp. 183-189.

CLEGG, B., REES, C. e TITCHEN, M. (2010). A study into the effectiveness of quality management training, The TQM Journal, 22 (2), pp. 188-208.

FOTOPOULOS, C. e PSOMAS, E. (2009). The use of quality management tools and techniques in ISO 9001:2000 certified companies: the Greek case, International Journal of Productivity and Performance Management, 58 (6), pp. 564-580.

KAYNAK, H. (2003). The relationship between total quality management practices and their effects on firm performance, Journal of Operations Management 21, pp. 405-435.

LAM, S. (1996). Applications of quality improvement tools in Hong Kong: An empirical analysis, Total Quality Management, 7 (6), pp. 675-680.

LINS, B. (1993). Ferramentas básicas da qualidade, Ciência da Informação, 22 (2).

MCQUATER, R., SCURR, C., DALE, B. e HILLMAN, P. (1995). Using quality tools and techniques successfully, The TQM Magazine, 7 (6), pp.37-42.

PYO, S. (2005). Choosing Quality Tools: 7 Tools Case, Journal of Quality Assurance in Hospitality & Tourism, 6 (1/5).

RESENDE, L. e FONSECA, A. (2002). Estudo do conhecimento de metodologias, métodos, técnicas e ferramentas da área de qualidade usadas nas empresas, XXII Encontro Nacional de Engenharia da Produção, Curitiba – PR Brasil.

SARAIVA, P., (2003). Capítulo sobre Certificação ISO 9000: aspectos e factores críticos de sucesso numa perspectiva de futuro, Integrado no Manual Prático para a Certificação e Gestão da Qualidade com Base nas Normas ISO 9000:2000, Verlag Dashöfer, pp. 1-54.

SCHAAR, T. (2010). Quality Basics Simplify Complex Engineering Document Management Challenge, American Society for Quality.

SOUSA, S., ASPINWALL, E., SAMPAIO, P. e RODRIGUES, A. (2005). Performance Measures and Quality Tools in Portuguese Small and Medium Enterprises: Survey Results, Total Quality Management, 16 (2), pp. 277-307.

THIA, C., CHAI,K., BAULY, J. e XIN, Y. (2005). Research and Concepts – An exploratory study of the use of quality tools and techniques in product development.

THIRAVIAM, A. (2006). Simple Tools for Complex Systems, American Society for Quality.